Capa » Cruzeiros

Cruzeiros

Uma viagem de cruzeiro deixou de ser um sonho para muitos brasileiros. Antigamente, além de poucos existentes, os cruzeiros eram muito caros, muito mesmo… e esse “antigamente” está ligado a 10 anos mais ou menos. Um tempo que não é tão grande assim para uma verdadeira revolução no mundo dos cruzeiros.

Hoje em dia, tem cruzeiro de tudo que é duração. Desde cruzeiros de apenas um dia, em que você apenas sai bem cedinho, conhece alguma ilha ou local específico e volta no final da tarde até os cruzeiros de volta ao mundo, com períodos que chegam a 200 dias! Isso mesmo: 200 dias a bordo de um navio!

Muitos dos nossos amigos têm a mesma reação quando dizemos que, um dia, faremos um cruzeiro desses: torcer o nariz e dizer “Credo!! Muito tempo para ficar trancafeado dentro de um navio…”. Como já dizia o sábio compadre Washington, “Sabe de nada, inocente!!!”.

Pois bem, neste post, não nos dedicaremos apenas a mostrar as vantagens e desvantagens de se fazer um cruzeiro e, sim, expor o que ocorre neles e, a depender dos gostos de cada leitor, pode ser algo boníssimo ou péssimo. Iniciemos, então, pela mordomia. Essa sim, duvidamos que alguém se sinta ultrajado por alguém fazer questão de lavar toda a sua louça em todas as suas refeições, sempre estar preocupado em saber o ponto dos ovos na sua omelete ou decorar o seu nome e o de todos os seus acompanhantes no jantar do primeiro dia.

Além de outros mimos como bichinhos de toalha depois do jantar te esperando no quarto (todo dia, um bichinho diferente 😉 ), o pessoal do navio é muito bem treinado e está ali sempre para te ajudar no que for necessário. A sensação é a mesma de um frango de abatedouro que vai sendo alimentado e bem tratado durante tempos e tempos, com a vantagem que, ao fim da viagem, ao invés de você seguir o caminho para um freezer, você apenas faz o check-out e volta para casa. :-)

Todo dia tem um bichinho diferente...

Todo dia tem um bichinho diferente…

Tem como ficar chateado??

Tem como ficar chateado??

Olá, coelhinho!

Olá, coelhinho!

Que bicho é esse?

Que bicho é esse?

Não confundam com qualquer outro bicho: isso, sim, é um macaco...

Não confundam com qualquer outro bicho: isso, sim, é um macaco…

TAXAS E GORJETAS

Comecemos pelo início: as taxas!! Elas variam de acordo com o tipo do cruzeiro que você faça. Se for um cruzeiro que vai para, pelo menos, um país diferente do embarque, trata-se de uma viagem internacional como qualquer outra. Significa a necessidade de passaporte, eventuais vistos, taxas de embarque em padrões internacionais, enfim, tudo igualzinho a um voo internacional, mas com um raio-x bem mais humanizado…

Para um cruzeiro saindo dos EUA para as Bahamas, por exemplo, já postado em outra oportunidade, as taxas giram em torno de US$100, independentemente da duração da viagem. Lembre-se: é uma viagem internacional e precisa fazer procedimento de alfândega e tudo mais, igualzinho a uma viagem de avião.

Com relação a gorjetas, não existe preocupação, pois é praxe de qualquer cruzeiro automaticamente aplicar à conta de todos os seus viajantes uma gorjeta diária “automática” de US12 mais ou menos. Parece muito, mas você verá que esse valor é bem pouco em vista de tudo o que se faça dentro dos cruzeiros. Mas nada te impede de ser mais generoso e oferecer diretamente a algum funcionário que tenha te atendido muito bem uma gorjeta maior.

Sempre fizemos isso com os funcionários mais atenciosos conosco e, na medida do possível, sempre tiramos fotos com eles para eternizar aquele momento. Eles ficam muito felizes com qualquer valor que você dá, pois isso é apenas um reconhecimento adicional de que eles fizeram um ótimo trabalho com você.

Gente finíssima esse carinha aí do meio! :-)

Gente finíssima esse carinha aí do meio! :-)

O cruzeiro é um mundo diferente. Se você fizer um dia, verá o que estamos falando. Se você já fez, sabe do que se trata… Normalmente, os cruzeiros saem no fim de tarde dos lugares. Mas o ingresso neles já pode ser feito a partir das 11 da manhã ou meio-dia. Isso faz com que você aproveite o almoço já no clima de festa que todo cruzeiro possui, podendo usar academia, ver tv no quarto ou apenas fazer nada na piscina e esperar a hora da buzina tocar bem alto indicando que é hora de zarpar.8-)

Se for fazer um cruzeiro de até uma semana (o que é o mais comum para aqueles que nunca o fizeram), procure levar roupa para um dia a mais do que o necessário, preocupando-se para levar uma roupa social para o jantar de gala, pois sempre há um. No check-in, também procure deixar a roupa de um dia na mala de mão, além do imprescindível para aquela primeira tarde na piscina. Isso porque as malas despachadas somente chegarão ao quarto, normalmente, durante a noite do primeiro dia no cruzeiro. Elas são colocadas junto à porta de cada cabine, do lado de fora. Quando você pensa em começar a reclamar do serviço lento, abre a porta e PLIM, sua mala está te esperando. Mas se você tiver separado as roupas para este primeiro momento, já teve oportunidade de ir para a piscina, sauna e o que mais tiver tido tempo e oportunidade de conhecer…

UM CRUZEIRO BALANÇA?

Muita gente nos diz: não gosto de navio, pois eu enjoo e balança demais! Ao todo, ficamos em cruzeiros o período de quase um mês e nestes quase 30 dias, apenas em dois deles o navio balançou. A sensação é de você estar bêbado, mas sem ter bebido nada. Balança para um lado e para outro, mas o risco do navio afundar é o mesmo de um buraco na estrada desmontar um carro inteiro. Não podemos dizer que não balança, mas nada nesta vida é perfeito, concordemos… Quer ver como balança? Então veja aí… se não conseguir abrir na telinha abaixo, clique aqui.

Mesmo balançando vez ou outra, é um passeio que vale a pena por todo o resto…

CHECKIN E CHECKOUT

Muita gente pensa: Meu Deus, não vou deixar minha mala aqui na porta, podem roubá-la ou colocar drogas nela!! Calma, existem câmeras nos ambientes dos cruzeiros para evitar este tipo de problema. Nós mesmos já vimos em um cruzeiro que iria para as Bahamas um carinha ser preso porque estava levando droga. Somente ele foi preso, pois ele sabe que se pusesse alguma coisa em alguma mala pro lado de fora, pegariam o gatuninho no ato fácil, fácil…

Para o check-out, o sistema já é diferente, pois normalmente eles separam por cores. Se você não disser nada que tem voo cedo ou algo do gênero, vai na sorte. Se quiser sair do cruzeiro antes, peça a alguém que te priorizem por qualquer razão inventada na hora: voo em horário apertado, etc. Mas, convenhamos, se você está saindo de um cruzeiro, foi para passar férias, que se dane a hora que eu vou sair… eu fico tomando café da manhã até quase 10 horas e só esperando chamarem a minha cor (a do último cruzeiro era marrom rsrsrs).

Você sai do cruzeiro e busca suas malas que foram “despachadas” na noite anterior ao check-out, também deixadas na porta da sua cabine para serem recolhidas pelos funcionários. Também não se preocupe em colocarem drogas ou retirarem algo da sua mala, mas de qualquer forma, evite de colocar algo muito valioso na bagagem despachada. Lembre-se que valem as regras para o despacho de bagagem de um avião.

Quando sua cor chegar, você enfrentará as filas relacionadas e sua mala estará esperando do lado de fora do navio pelo seu dono. Simples assim. A logística parece complicada, mas é extremamente simples, pois tudo no navio funciona na base do relógio, com horários que são rigorosamente cumpridos, como diz o meu querido Silvio Santos…

ESTRUTURA DOS NAVIOS E PASSEIOS

Falemos um pouco, agora, sobre a estrutura dos cruzeiros… Ahhh, e que estrutura!! Os cruzeiros, no geral, têm uma puta baita de uma estrutura. Qualquer um fica embasbacado com o que rola lá. Os da Disney estão repletos de Mickeys e Patetas por todos os lados e brincadeiras infinitas para os mais baixinhos. Os “normais” possuem estrutura de minigolfe, basquete, vôlei, toboágua, etc. É praticamente uma cidade flutuante. Ou será uma cidade flutuante? A julgar pela quantidade de passageiros (mais de 3 mil nos maiores), é uma cidade. Com restaurantes, bares, piscinas, cassino, academia, saunas e otras cositas más para sua diversão.

São 18 elevadores, em média, para cobrir os 12 andares da estrutura. É muito grande a parada! Só estando dentro de um para ver. Nos cruzeiros de menos dias, quando você começa a se localizar, a viagem acaba. Dá uma raiva… hahaha

Se tem uma coisa que os caras fazem direitinho é preparar os passeios offshore, ou seja, fora do gerenciamento do navio. Normalmente, eles despejam a galera no porto ou, quando ancorados, deixam em pequenos barcos o pessoal em terra firme e, se você quiser, já deixa tudo comprado dentro do navio. Obviamente, o preço é mais salgado. Portanto, há os prós e contras de você reservar um passeio diretamente com os funcionários. Vamos aos detalhes:

Imagine que o pneu do seu ônibus que está realizando uma viagem de duas horas furou, você está a mais de 100 km do porto e o seu navio tem previsão de saída em 15 minutos. Não há problema, pois eles ligarão para o seu navio dizendo que tem uma galera no meio do caminho e eles vão te esperar. Palavra de escoteiro! Se você estiver em um ônibus de transporte público de Bangcoc, por exemplo, diríamos que a chance de você ser largado é de 238%, sem pena. Eles deixam o povo para trás mesmo… Imagina o desespero…

Mas então nunca é vantagem pegar os passeios de maneira menos custosa e mais “aventureira”? Claro que é e sempre fazemos assim. Nas paradas mais curtas, basta ver a hora prevista de saída e a distância do local a ser visitado para o seu navio. Ou, ainda, a hora de saída do último barquinho que levará ao cruzeiro ancorado. Se a distância não for grande, algo como uns 30 km, sem problemas, pois você conseguirá chegar com relativa tranquilidade. Mas sempre deixe meia hora de lastro, uma gordura para queimar. Para algumas paradas, dá pra fazer tudo a pé mesmo, aí, sem mistério, pode pegar um táxi e vislumbrar o local com total liberdade. Geralmente, os mais velhos ricos americanos sempre pegam os passeios e acham tudo barato. Nós, como bons latino-americanos, sempre achamos tudo caro e sempre negociamos com prestadores de serviços locais preços bem camaradas nas paradas. Pode chegar a sair, por exemplo, 10% do valor que você pagaria pelo passeio completo. Isso aconteceu no Vietnã, quando estávamos com um casal amigo do México e negociei um passeio que, dentro do cruzeiro, era comercializado por US$150 por pessoa. Depois de regatear um pouco com o taxista que fez questão de enfatizar que era também guia de turismo, fechamos a van dele com o mesmo percurso que eu tinha mostrado na brochura do navio por US$60 e com explicação de guia, isso para 4 pessoas!! Ou seja, saiu US$15 por cabeça!! Uma pechincha para o dia inteiro e com o motorista te esperando nas visitas. Uma dica importante: sempre procure pagar apenas na volta ao porto. Deixe isso claro quando for conversar com o motorista. Pessoas vemos, costumes não sabemos…

Bom mesmo é quando você está em uma pequena ilhota, como nas Bahamas, que é privativa da empresa de cruzeiro. Eles costumam fazer isso muito: comprar ilhas abandonadas, criar estrutura apenas para receber o pessoal do cruzeiro. A vantagem é que tudo é considerado navio, pois o pessoal do navio vai para a ilha e as atividades são feitas em terra, com o navio na sua frente. Isso é legal, pois você pisa em terra, como muitos gostam de fazer, sem qualquer risco de ficar para trás na partida. A Norwegian Cruise Lines possui uma ilha privativa chamada Great Stirrup Cay que serve só pra isso. Parece um parque de diversões a céu aberto e sem portas nem grades…

Nós também já viajamos pela Carnival e pela Holland America. Todos com estrutura fantástica e pessoal extremamente educado e atencioso. Para reservar cruzeiros, há duas maneiras muito populares. Eu sempre usei o Cruise Direct (em inglês), mas também há o Vacations to go, que sempre tinha o preço aproximadamente 10% mais elevado que o primeiro, embora este segundo tenha atendimento em português. Portanto, se você habla bien inglês, rasgue o the book is on the table e salve uma graninha no Cruise Direct. Ambos vendem os mesmos cruzeiros, é importante que seja salientado isso…

CASSINO

E que tal começar a falar das atividades do navio pelo cassino? Todo mundo fica desesperado para deixar uma graninha no cassino. O navio também espera que você faça isso… A estrutura é a de uma mini Las Vegas, pois apenas em águas internacionais pode ser jogado ou em países onde o jogo é liberado. Dessa forma, normalmente durante a noite ou nos days at sea a jogatina rola solta. O esquema é simples: você dá dinheiro ou seu cartão-chave e solicita as fichas de acordo com sua vontade e profundidade de bolso…

Não se pode filmar, fotografar, etc. Tudo igualzinho a um cassino normal, pois lá é um cassino normal. Só que não peguei nenhum com bebidas grátis para quem joga como acontece em Las Vegas. :-(

De qualquer forma, para quem sabe, é uma oportunidade de ganhar alguma graninha, algo não tão complicado assim para aqueles que sabem jogar algo como poker, blackjack ou qualquer outro jogo de cassino. Mas cuidado, pois se nunca jogou, aconselhamos que apenas olhe e ponto.

QUARTOS/CABINES

Nos cruzeiros, os quartos também são chamados de cabines. Tem de tudo que é tipo e tamanho, tudo depende do tamanho do seu bolso. Inside é o quarto que não tem janelas, pois fica completamente na parte interna dos navios. Sendo assim, se você faz muita questão de ter uma janelinha no seu quarto, terá que desembolsar um pouco mais no bilhete e pegar, pelo menos, um outside. Este quarto possui apenas uma vista para fora, não chega a ser uma janela, pois o nosso conceito de janela é algo que possa ser aberto ou fechado. As cabines outside possuem, de fato, uma escotilha que permite a vista para fora. Já é bacana, pois não dá aquela sensação claustrofóbica de algo totalmente fechado. Honestamente, para nós, tanto faz, mas já que a diferença é bem pequena muitas vezes, sempre pegamos outside, pois tem um bom custo-benefício.

No cruzeiro que fizemos em 2013/2014 de virada de ano, como estávamos debaixo de algum depósito de comidas, reclamamos com o Front Desk e em meia hora eles nos ofereceram um quarto em uma área mais silenciosa, levaram todas as nossas malas para o quarto novo e ainda nos deram um mimo de desculpa. Muito parecido com o atendimento que temos das nossas empresas de telefonia celular ou planos de saúde, concordam?

:-)

:-)

Para quem tem bolso mais profundo, tem os quartos com varanda, tudo aberto, coisa de bacana, chamados de balcony (varanda em inglês). Dispenas comentários, né? Por ter um janelão corrediço e a varanda, este quarto custa quase o dobro do quarto inside, por exemplo. Mas se grana não é seu problema, você poderá se debruçar na sacada e acompanhar a viagem com o vento batendo na cara, algo que a galera do inside não pode…

Alguns cruzeiros possuem outras opções de quarto que possuem até uma secretária para anotar os seus recados, mas na boa, não viajamos para ter nossos recados anotados por ninguém. Se alguém precisar nos avisar algo, que nos mande uma mensagem via facebook ou whatsapp ou, ainda, algo similar. Como os preços dessas habitações não são nada módicos, nem vamos falar sobre eles, ok? Nossa opinião? O outside é a melhor opção! Nem a mais barata nem a mais cara. Nada contra a burguesia do balcony nem contra o proletariado do inside, apenas uma questão pessoal nossa pelas experiências realizadas.

Cama

Cama

Área de estar. Ao fundo, o guarda-roupas

Área de estar. Ao fundo, o guarda-roupas

Banheira

Banheira

Banheiro

Banheiro

Mais cama

Mais cama

ALIMENTAÇÃO NO NAVIO

Não existe, em uma viagem de cruzeiro, aquela preocupação com gastos de alimentação. Pelo menos, quando se está dentro dele ou em passeios por ilhas exclusivas que, na verdade, são extensões dos próprios navios. Só existe essa preocupação quando se está fora do navio.

Consideramos mais uma vantagem dos cruzeiros esse fato: comida e bebida liberada! PREFIRA OS CRUZEIROS SEM BEBIDA ALCOÓLICA LIBERADA! Pusemos em letras maiúsculas e explicaremos logo: você pagará mais por esse cruzeiro e terá a bebida alcoólica liberada, assim como todos os outros… a não ser que você seja um verdadeiro enxuga-copo, uma esponja, não aconselhamos. Aqueles que não sabem beber (os que deveriam beber mijo conforme alguns amigos dizem) vão fazer vergonha, vão vomitar tudo e deixar tudo virado pelo cruzeiro. E você não ficará bebendo durante as 24 horas do dia, ainda saindo do navio várias vezes para os passerios offshore.

Dragão chinês, mas comestível...

Dragão chinês, mas comestível…

Apenas uma palavra: delicioso!

Apenas uma palavra: delicioso!

Você teria coragem de comer um

Você teria coragem de comer um “castelo de chocolate”?

Bichinhos comestíveis

Bichinhos comestíveis

Quando quiser tomar uma cervejinha, um drink diferente ou qualquer coisa, basta apresentar seu cartão e pedir para o funcionário. O ambiente é sempre mais amigável e as pessoas mais normais, digamos assim.

E quanto à alimentação efetivamente? Tem comida 24 horas no navio? Sim e não são as respostas. Nem tudo fica aberto 24 horas. Mas sempre tem um (chamado carinhosamente de bandejão do cruzeiro) que sempre está aberto para aqueles que têm fome às duas da manhã na saída do cassino. Água e chá também estão liberadas 24 horas por dia.

Há outros restaurantes gratuitos que possuem hora certa para abrir e sempre dois que são mais chiques, que apenas abrem em horários específicos. Um destes dois é gratuito, com sua mesa marcada, vidros do chão ao teto para a vista ser memorável e o garçom sabendo seu nome desde o primeiro dia. Você tem uma janela de tempo para ir lá fazer suas refeições. Sendo assim, perdeu, não janta. É assim mesmo!!! :-(

Se você enjoar do tratamento ou preferir certa privacidade, pode ir jantar no restaurante pago. Pelo menos um em cada navio e algumas opções mais exclusivas. Nada muito caro, mas não de graça. Em torno de US$30 a refeição por pessoa. Quase sempre é necessário reservar, pois são bem pequenos e nos dias em que o menu está meio alternativo, eles acabam enchendo rapidinho…

Mesmo nos restaurantes em que a comida é liberada, há as opções de bebidas pagas, como vinhos, águas especiais, sucos selecionados entre outros. Fica a seu critério definir qual é a sua praia, mas fique atento que há praias para todos os gostos…

Jantar do reveillón

Jantar do reveillón

Só com cara de chefe rsrsrs

Só com cara de chefe rsrsrs

O tamanho do restaurante é considerável

O tamanho do restaurante é considerável

ATIVIDADES NO NAVIO

Quem disser que foi a um cruzeiro e ficou entediado porque não tinha o que fazer possui sérios problemas sociais. Até minigolfe é possível jogar em cruzeiros. Além do cassino, há esportes para todos os gostos. Há um ou dois teatros, muitos possuem serviço de aluguel grátis de DVDs para serem vistos no conforto do seu quarto, sauna seca e a vapor, academia, studio de pilates, spa, piscinas, ofurô, jogos como ping-pong, quadras de basquete e vôlei. Alguns possuem toboágua, parede de escalada… os da Disney têm uma infinidade de atividades com os personagens. Apresentações teatrais como o Blue Men Group, musicais como os da Broadway ou shows de comédia com interatividade do público. Até balada tem no cruzeiro… o que querer mais???

Teatro dentro do navio

Teatro dentro do navio

Apresentações toda noite, sempre com um tema diferente

Apresentações toda noite, sempre com um tema diferente

Agora para e pense: você conhece um sujeito que fez um cruzeiro e volto amaldiçoando todos que fazem, fizeram ou que pensam em fazer algum cruzeiro um dia, de quem será o problema, seu ou dele? Tome suas próprias conclusões. O que nós podemos dizer é que somos vi-ci-a-dos em cruzeiros!!!! 😉

Finalizando, vamos a situações específicas de um cruzeiro:

1) Você viaja com um nível superior de segurança se comparado às maneiras tradicionais de se viajar pelo mundo. Suas malas estão sempre garantidas e trancadas no seu quarto, deixando você apenas com a necessidade de levar uma bolsa de mão ou uma mochila para fora de sua estrutura; 😀

2) Você se obriga a socializar, pois divide a mesa do café da manhã com desconhecidos, sai para passeios com um indiano vizinho de quarto, entra na sauna e começa a conversar com um chinês, conhece um mexicano no cassino… Enfim, bicho-grilo não tem vez no navio. Você até conhece alguns, mas não aproveitam tanto assim a viagem…

Festa de virada de ano com nossos amigos mexicanos que vivem na California

Festa de virada de ano com nossos amigos mexicanos que vivem na California

3) Você pode mudar de país sem precisar tocar na sua mala, apenas deixando sua mochila a postos. Excelente em nossa opinião, embora o tempo de visita seja relativamente pequeno para alguns lugares interessantíssimos. É uma espécie de test-drive para ver se realmente vale a pena voltar àquele lugar;

4) E por último, mas não menos importante, é possível ir de cruzeiro do Brasil para a Europa pagando uma miséria na passagem para ficar uns 20 dias na mordomia do navio, aproveitando tudo, conhecendo paradas pelo caminho e voltar de avião. Muitas pessoas descobriram esta possibilidade e a viagem sai muito em conta, pois você pode ficar quanto tempo quiser na sua parada final antes de voltar para o Brasil. Interessantíssima opção de viagem, pois os cruzeiros saem do Brasil lá por abril ou maio se despedindo do nosso calor e buscando o calor da Europa bem vazios, apenas com viagem de ida na jogada. Isso pode ser feito da Europa para o Brasil lá pelo mês de outubro, quando acaba o verão no hemisfério norte. Pense nisso antes de fechar sua próxima viagem de férias e namastê!!!

4 comentários

  1. Ok, vocês me convenceram! Vou programar um cruzeiro!

  2. Vou colocar as dicas em prática no próximo domingo! Abraços

DEIXE UM COMENTÁRIO

Seu endereço de email não será publicado. Campos com * são obrigatórios

*